perfumed-garden

« Graças sejam dadas a Deus, que situou nas partes naturais da mulher os maiores prazeres do homem, assim como localizou nas partes naturais do homem o maior deleite da mulher.

« Deus não dotou as partes da mulher de nenhum sentimento de prazer ou satisfação, senão quando penetradas pelo instrumento do macho; e, da mesma forma, os órgãos sexuais do homem não conhecem repouso nem tranqüilidade até haverem entrado nos da fêmea.

« Daí, a mútua operação, que tem lugar nos desforços físicos, nos entrelaçamentos, em uma espécie de conflito animado entre os dois atores. Em virtude do contato entre os dois púbis, logo vem o prazer. O homem trabalha como se socasse uma mão de pilão, enquanto a mulher o secunda com movimentos lascivos; finalmente, chega a ejaculação.

« O beijo na boca, nas duas faces, no pescoço, assim como o sugar de uns lábios frescos, são dádivas de Deus, destinadas a provocar ereção no momento propício. Foi Deus, também, quem embelezou o colo da mulher com seios, quem a proveu com um queixo duplo e deu brilhantes cores às suas faces.

« Também a presenteou com olhos que inspiram amor, e com pestanas que parecem lâminas polidas.

« Deus dotou-a de um ventre arredondado e um belo umbigo, e de ancas majestosas; e todas essas maravilhas são sustentadas pelas coxas. Foi entre estas últimas que Deus localizou a arena do combate; quando dispõe de carne abundante, assemelha-se à cabeça de um leão. Chama-se vulva. Oh, quantas mortes de homens jazem às suas portas? E entre eles, quantos heróis!

« Deus proveu esse objeto com uma boca, uma língua [clitóris], dois lábios; é como a marca da pata de uma gazela deixada nas areias do deserto.

« O todo é suportado por duas maravilhosas colunas, testemunhas do poder e da sabedoria de Deus; não são muito longas nem muito curtas; e embelezam-nas joelhos, pantorrilhas, tornozelos e calcanhares, sobre os quais descansam valiosos braceletes.

« Depois, o Todo-poderoso mergulhou a mulher em um mar de esplendores, voluptuosidade e deleites, e cobriu-a com vestes preciosas, com cintas brilhantes, que provocam sorrisos.

« Assim, demos graças a Ele, que criou a mulher e suas belezas, com sua carne apetitosa; que lhe deu cabelos, um rosto bonito, um colo com seios túmidos, e ademanes amorosos, que despertam o desejo.

« O Senhor do Universo conferiu-lhes o império da sedução; todos os homens, fracos ou fortes, estão sujeitos à fraqueza pelo amor da mulher. Por intermédio da mulher, temos sociedade ou dispersão, permanência em um lugar ou emigração.

« O estado de humildade em que ficam os corações daqueles que amam, e estão separados do objeto de sua paixão, faz arder com o fogo do amor esses corações; quedam oprimidos sob uma sensação de servidão, desprezo e infelicidade; sofrem sob as vicissitudes de seu sentimento; e tudo isso em conseqüência do ardente desejo de contato.

«Eu, o servo de Deus, sou-lhe grato por ninguém estar livre de apaixonar-se por uma mulher bonita, e por ninguém poder escapar ao desejo de possuí-la, seja recorrendo à mudança, à fuga ou à separação.

« Dou testemunho de que existe apenas um Deus, e que ele não tem igual. Apegar-me-ei a este precioso testemunho até o dia do julgamento final.»

Trecho de O Jardim das Delícias [também conhecido como O Jardim Perfumado], do Xeque Mohammed El Nefzaui, escrito em data imprecisa, provavelmente entre 1349 e 1433, e traduzido pela primeira vez no Ocidente por Sir Richard Francis Burton. (Alguém mais cricri irá dizer que uma tradução correta traria o vocábulo Alá, A Divindade, e não Deus – uma vez que, ao contrário de Deus, Alá não é considerado uma personalidade — mas prefiro deixar como está no meu exemplar: Deus.)