Blog do Yuri

palavras aos homens e mulheres da Madrugada

Categoria: Avisos (Página 1 de 8)

…então NÃO COMPRE meu livro!

Veja o comentário que o leitor Guibson Dantas escreveu na Amazon sobre A Tragicomédia Acadêmica:

“Como acadêmico e ferrenho crítico do ambiente universitário brasileiro atual – repleto de comunistas que nunca leram nada, de liberais que mal sabem quem foi Adam Smith, de religiosos fanáticos e militantes gays fascistas -, resolvi comprar o referido livro na esperança de qualificar minhas críticas ou obter novas informações sobre o tema. Confesso que me decepcionei demais com o livro. Muito bobo, com contos juvenis e sem nexo. Sinceramente? Não gaste tempo com esse livro. A vida é curta.”

Entenderam? Ele comprou um livro de — como diria Harold Bloom — “LITERATURA DE IMAGINAÇÃO” para “qualificar minhas [as dele] críticas ou obter novas informações” sobre a encheção de saco política dos dias atuais. Se alguém tiver o mesmo intuito, então NÃO COMPRE MEU LIVRO! Só um sujeito completamente desprovido de cultura literária, de imaginação e, principalmente, de senso de humor pode pretender buscar essas coisas num livro de ficção, num livro humorístico. Seria como ler As Viagens de Gulliver em busca de novos pontos turísticos! Nunca tive a pretensão de escrever ensaios sobre a vida universitária e, caso a tivesse, teria escrito ensaios (surpresa!), e não esses dezenove contos cujas tramas e personagens me deram um imenso trabalho. (E nem preciso dizer que, na época em que os escrevi — 1996-1997 —, esses conflitos ideológicos não eram tão exacerbados, conspícuos e problemáticos como o são hoje.) Os contos são juvenis? Muito provavelmente, afinal eu os escrevi aos 25 anos de idade com a intenção de apresentar aos demais universitários um livro que eu gostaria de ter encontrado nas livrarias e que NUNCA ENCONTREI. Ora, a maioria dos estudantes é constituída de jovens, não vejo nenhum problema em me dirigir principalmente a eles. (Uma das epígrafes mostra que eu tinha plena consciência disso.)

Fico sempre muito contente e sinceramente agradecido quando alguém — no Facebook, por mensagem direta ou por email — elogia meu livro. E são muitas mensagens! Mas juro que cheguei a um momento da vida em que elogios e críticas são assimilados por minha consciência de uma forma muito semelhante: ou estão colocando meu ego para baixo, ou o estão colocando para cima. Sim, no fundo, é sempre uma questão de ego. E o ego, durante o processo de criação, não manda em nada! Eu sei qual é o valor do meu trabalho, conheço meus méritos e deméritos, minhas qualidades e defeitos, e por isso sou sempre o meu crítico mais ferrenho. Claro, quando as críticas são construtivas, mesmo sendo negativas, sempre as ouço e medito muito sobre seu conteúdo. Ora, não sou onisciente, um feedback justo, originado de uma perspectiva totalmente diferente da minha, é sempre proveitoso. No entanto, a “crítica” do leitor acima é apenas o comentário do “acadêmico” que comprou o livro errado: comprou ficção em vez de um estudo antropológico. Ora, para um suposto pesquisador da academia, a incapacidade de pesquisar a respeito de um livro antes de comprá-lo é algo cômico e, no fundo, apenas ressalta a substância dos contos: a universidade vive uma tragicomédia.

Agora, é bom receber elogios? Claro que é, mas não me permito acreditar plenamente neles, do contrário, poderia achar que já cheguei no ápice, esquecendo pois de me aprimorar. É chato receber críticas destrutivas? É óbvio que sim, mas tampouco me permito acatá-las, do contrário, não conseguirei me permitir a liberdade necessária para criar, pois essa liberdade exige autoconfiança e um enorme foda-se para as opiniões circundantes, sejam elas quais forem. O que me chateia, no caso presente, é que pretendo deixar de morar sob o viaduto — leram o texto anterior? — e os comentários de um leitor desavisado como esse apenas atrapalham a venda do livro. Como disse Monteiro Lobato em sua última entrevista, referindo-se a si mesmo: para um escritor profissional, “seu livro predileto é o que lhe dá mais dinheiro”. Assim, quem quiser realmente me deixar muitíssimo feliz, além de me elogiar diretamente, diga também o que achou do livro nos sites em que o comprou. Beleza? Muchas gracias.

Feliz #BitcoinPizzaDay!

Hoje, no Bitcoin Pizza Day, o valor da moeda chegou a 2.220 dólares. Dá até vertigem…

Por que #BitcoinPizzaDay? Porque hoje é o aniversário da primeira transação com bitcoins, na qual um sujeito, cansado de produzir a moeda em sua própria casa sem que ninguém a aceitasse como meio de troca, ofereceu num fórum 10.000 bitcoins para quem lhe arranjasse duas pizzas. As pizzas foram compradas por 24 dólares, mediante cartão de crédito, por um cara que, em troca, recebeu os 10.000 bitcoins. Esses 10.000 bitcoins valem hoje, sim, 22.200.000 dólares! A pizza mais cara do universo… (Bem, se não fosse essa transação, o Bitcoin jamais teria provado que vale como meio de troca, logo… feliz Pizza Day!)

Feliz aniversário, Hilda Hilst! La Blanca!

Se ainda estivesse neste mundo, Hilda Hilst completaria hoje 86 anos de idade. Em sua homenagem, seguem abaixo alguns links de relatos sobre a época em que dividimos o mesmo teto. (¿Por que “La Blanca”? Porque, no inverno, graças a meu longo gorro de lã, Hilda me chamava de Dunga e eu, em retribuição, a chamava de Blancanieves.) Espero que você tenha razão, Hilda, e que a transcomunicação seja uma realidade onde você está: vai que você tem acesso ao que escrevemos aqui… (Sugestão para o Zuckerberg: curtidas do Além.)

PRECISA-SE DE EMPREGADA FEIA. BEM FEIA.

HILDA HILST, O IPTU E A CHAVE DA CIDADE

HOMEM TAMBÉM TEM PÊLO

O EXORCISTA NA CASA DO SOL

HILDA HILST E O FEMINISMO

HILDA HILST E SEU RADAR MENTAL

A MELHOR DAS CASAS POSSÍVEIS

O MARCENEIRO E O POETA

O IPTUZÃO DE HILDA HILST

______
Postado no Facebook.

Que larguem o osso!!

Olavo de Carvalho já me disse isto ao telefone dez anos atrás, voltou a repeti-lo milhares de vezes em vídeos, aulas e entrevistas, e já escreveu outras tanto: “Eles não vão largar o osso!”. O Partido dos Trabalhadores não é um partido normal. Ele não pretende revezar-se no jogo democrático. Almejou o poder e, tendo-o alcançado, não se desfará dele… senão coercivamente. Com a jararaca se esgueirando até o único lugar que lhe pareceu seguro — o Palácio do Planalto —, para tornar-se pseudo-assistente de sua ex-assistente chucra (sua atual pseudo-chefa incompetente), ¿o que mais tem de acontecer para os zumbis apolíticos perceberem o que realmente se passa à sua volta? Eu falo daqueles que acham que está tudo bem, que acham que está tudo normal, que tudo se arranja por si só e que, no final, o mocinho ficará com a mocinha e o vilão não permanecerá com o poder nas mãos. Vilão, sim: Lula é um psicopata. Não adianta dizer isso a seus asseclas histéricos: eles comemoram cada uma de suas jogadas criminosas! Quando Mercadante foi pego com a boca na botija, um petista que conheço lamentou apenas que o Ministro da Ignorância tivesse se deixado enganar… Graças a uma consciência moral adormecida, o militante não viu nada de errado nas ações do seu herói! Mercadante agia claramente como um membro da Cosa Nostra! Sim, para essa caterva revolucionária não há moral, não há ética, não há escrúpulos, não há valores eternos, não há vergonha na cara: para atingir seus fins, tudo é permitido. O niilismo no qual vivem mergulhados lhes inspira a mais altiva indiferença, o mais presunçoso cinismo diante dos valores do próximo. Incapazes de conceber algo que transcenda o espaço-tempo, para eles só lhes interessa transformar o aqui e o agora, só lhes interessa o projeto de uma sociedade futura perfeita a ser realizada neste mundo por meio do Estado, uma sociedade tão perfeita que nós, que somos imperfeitos, em algum momento poderemos ser descartados sem qualquer remorso. Não é à toa que o olhar malicioso e irônico que disparam contra famílias vestidas de verde e amarelo, manifestantes “coxinhas”, seja exatamente o mesmo que vemos no rosto dos oficiais das fotografias de campos de extermínio.

Em geral, quando falamos dessa gente imoral com palavras diretas e duras, somos logo tachados pelos zumbis neutros, apolíticos, de caçadores de bruxas, de ‘maniqueístas’: “Ah, um paladino presunçoso a lutar contra os malvados! Como se houvesse realmente diferença entre o bem e o mal, como se essa batalha levasse a alguma coisa…”. Sim, é preciso lutar contra o mal que grassa no mundo — porque é justamente essa luta o contrário do maniqueísmo. O maniqueísmo é a crença de que tanto o bem quanto o mal são absolutos e que, por isso, não há razão para que um princípio combata o outro. Ora, se são ambos princípios eternos e indestrutíveis, ¿qual a razão do combate? Ninguém irá vencer, as coisas se arranjam… E é exatamente essa a posição daqueles que, ignorando o verdadeiro significado do termo, nos chamam de ‘maniqueístas’ — mas eles é que o são! O maniqueísmo gera a indiferença, a passividade, o comodismo e a falta de determinações. Quem permanece nessa posição mais cedo ou mais tarde será engolido pelos niilistas, aqueles cujas almas, incapazes de lidar com um sentimento natural de rebelião que brota diante de um mundo onde há finitude, morte, injustiça, incerteza e dor, e aparentemente nenhuma esperança ou virtude, aderem à religião da força, do poder, a qual, para nascer, exige a razão implacável, a alma fria e vazia, uma filha do Nada.

Devemos nos preparar para mais protestos pontuais ou massivos, manifestações, greves gerais, até mesmo, caso a coisa se estenda e aponte para uma futura Venezuela brasileira, a ação ucraniana, tudo o que for necessário — jamais desrespeitando nossa consciência e as leis eternas — para que nossa liberdade e a vida daqueles a quem amamos possam florescer sem o julgo de um tirano qualquer, seja este tirano uma pessoa, um partido ou uma ideologia revolucionária. O establishment sob o qual vivemos é incapaz de corresponder a nossos anseios e angústias. Ele precisa ser derrubado. Pouco importa se levará uma semana, seis meses, dez, vinte ou trinta anos, pois o ambiente cultural anódino e decadente desta época é hostil, e tampouco cairá logo após os criminosos que ora nos achacam. Se esse partido e se esse governo corrupto não caírem nas próximas semanas, não nos desesperemos. Tenhamos paciência. Estudemos. Cultivemos nossas virtudes. Sobretudo, confiemos em Deus e em nossas forças, porque o trabalho que nos espera é de longo prazo.

_____
Publicado no Facebook, no dia 16 de Março.

Parece, mas não estou

Quem costumava visitar diariamente este blog — e também meu antigo blog, O Garganta de Fogo (2002-2008) — deve estar achando que parei de escrever, que já não estou atento aos acontecimentos do nosso especialíssimo momento político e cultural, que morri, e assim por diante. Sim, numa simples visita, pode até parecer que estou alheio, mas não estou. Muito embora Zuckerberg fique com toda a plata publicitária, a questão é que, para quem costumava publicar posts para vinte ou cinqüenta leitores por vez, a publicação no Facebook se mostrou um melhor negócio: juntando amigos, seguidores e curtidas na página, lá no Facebook, ao menos seis mil pessoas têm acesso instantâneo aos meus textos.

Enfim, apesar disso, em respeito ao trabalho iniciado anos atrás, tentarei, aos poucos, ir atualizando este blog com postagens do meu perfil pessoal e da minha página. Por isso peço que não se chateie caso alguns artigos pareçam datados: no Facebook surgiram na crista da onda.

E obrigado pela insistência em vir procurar meus textos aqui. O contador de visitas, ao contrário do que eu mesmo acreditava, prova que este blog está bastante vivo.

II Encontro de escritores Brasileiros na Virginia

escritores_virginia

De 25 a 28 de Novembro, a convite do Inter-American Institute e do filósofo Olavo de Carvalho, estarei nos Estados Unidos para participar do II Encontro de Escritores Brasileiros na Virginia. Também participarão os escritores Rodrigo Gurgel, Paulo Briguet, Érico Nogueira e Stella Caymmi.

O encontro terá como tema o atual estado da alta cultura no Brasil. Os debates serão transmitidos via streaming.

Para mais informações, visite esta página.

ESPELHO — 8 anos de idade

Quase ninguém sabe — provavelmente apenas a Cassia — mas escolhi o dia 21 de Agosto de 2007 para lançar o curta-metragem ESPELHO porque, neste dia, segundo o “livro azul”, é aniversário de Jesus. Para quem ainda não assistiu ao filme, fica aqui o convite. Infelizmente não experimentará o mesmo efeito que costuma ocorrer nas salas de cinema, onde o público, no início, acaba reagindo tal como o desassossegado protagonista: daí o “efeito espelho”. Hoje, concordo com alguns críticos: talvez eu tenha exagerado na verborragia. Mas também concordo com um amigo de São Paulo, segundo o qual, e modéstia à parte, este curta está entre os dez melhores realizados na década passada, pois consegue unir uma narrativa tradicional a uma abordagem experimental. (Aliás, foi Dib Lutfi, o mestre da câmera em movimento, quem me aconselhou: “Mantenha o plano estático quase o filme inteiro”.) Enfim, olho para meu trabalho e, apesar dos pesares (principalmente a pobreza de recursos), vejo que é bom. E os invejosos ‘que se jodan’.

Página 1 de 8

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén