Blog do Yuri

palavras aos homens e mulheres da Madrugada

Tag: Política (Página 10 de 17)

O Império da Lei

O professor Tom W. Bell, da Chapman University School of Law, explica por que o Império da Lei é fundamental para uma sociedade livre e tolerante.

O rei Salomão e o matrimônio gay

O Rei Salomão

Enquanto isso, em 950 a.C., no palácio do Rei Salomão:

— Majestade, esses dois homens requerem vossa autorização para unir-se em matrimônio.

— Matrimônio? Aquele consórcio derivado do vocábulo que os romanos inventarão no futuro para referir-se a “mãe”?

— Não sei, majestade. Vossa alteza é que sois o sábio aqui.

— Certo, certo. Hum. Não ficariam satisfeitos apenas com um documento reconhecendo sua união civil?

— Não, majestade. Eles querem um matrimônio; e que seja realizado no templo.

— Entendo. Fazei o seguinte: ponde-os em cativeiro, se eles conseguirem se reproduzir, libertai-os e deferi a petição.

— Sim, vossa majestade.

______
P.S. do dia 30/05/2013: Pessoal, esse esquete já se espalhou pela internet mediante emails (a maior parte das visitas tem essa origem), blogs, fóruns e redes sociais (basta jogar uma das falas no Google ou no FB, entre aspas, para se obter uma confirmação), em geral sem referência à minha autoria, o que não me incomoda em nada, já que, quando descobrem que sou o autor, lá vêm mil emails para me encher o saco e me atazanar. (E já tem até gente sendo censurada por minha causa.) O negócio é o seguinte: eu apenas tentei imaginar o que Salomão teria dito sobre o tema, nada mais, nada menos. E percebam que ele foi até um sujeito bacana, perguntou se “união civil” não seria o suficiente… Além disso, tal como afirmei no comentário abaixo, creio que Salomão, tal como no caso das mães que disputavam o bebê, estava apenas blefando, convicto de que os dois solicitantes desistiriam do intento de alterar a doutrina religiosa vigente. Eu, pessoalmente, não tenho absolutamente nada contra quem quer que seja, cada um que faça o que bem entender, contanto que não incomode o seu próximo. Aliás, tenho amigos de todo tipo, gays, extraterrestres e assim por diante. Na verdade, o que não me agrada é que um grupo se arrogue privilégios com fins políticos completamente alheios às razões alegadas. E, se alguns membros desse grupo não percebem que há outras razões subterrâneas, não passam então de inocentes úteis que deveriam informar-se melhor. (No caso dos homossexuais, sugiro o blog Gays de Direita e o artigo “Um homossexual condena os ‘direitos homossexuais’“.) É isto. Agora, por favor, parem de sobrecarregar meu formulário de contato e os comentários deste post com ofensas. (Os comentários sofrem moderação e eu estou cantando e andando para essa briga, logo, economizem seu tempo.) Obrigado.

A importância da educação

Discurso do Dr. Benjamin Carson, médico neurocirurgião, no National Prayer Breakfast de 2013. (Ative as legendas.)

A “pílula vermelha” de Yuri Bezmenov: subversão, desmoralização, desestabilização, crise, normalização

Yuri Bezmenov

Abaixo, no primeiro vídeo, Yuri Bezmenov fala longamente sobre sua própria vida antes de abordar mais a fundo o tema que realmente importa: como destruir e dominar uma nação (ou várias nações) sem disparar um único tiro mediante a “subversão”. (Você se lembra quantas vezes ouviu a respeito de “subversivos” sem saber exatamente o que o termo queria dizer? No máximo, você imaginava Fernando Gabeira usando tanga de crochê em Ipanema — mas a coisa vai muito mais longe!) No segundo vídeo, que também já postei várias vezes tanto no Twitter quanto no Facebook — como diz Julie Terres, uma amiga, este é um vídeo de cabeceira –, Bezmenov vai direto ao assunto: explica detalhadamente as diversas fases da subversão, isto é, discorre sobre a desmoralização, a desestabilização, a crise e a normalização. Quem acredita que suas próprias concepções sobre religião, educação, sexualidade, cultura, “justiça social”, etc. são muito avançadas, espertas, esclarecidas e puras devia assistir a esta palestra para meditar sobre o quão “idiota útil” talvez esteja sendo…

Claro, a luta pelo poder no mundo já não possui exatamente os mesmos “protagonistas” citados, mas as técnicas descritas — que remontam a Sun Tzu (vide A Arte da Guerra) — continuam sendo utilizadas a torto e a direito, principalmente por aqueles que objetivam o estabelecimento de um governo mundial. (Na melhor das hipóteses, de uma hegemonia mundial.) Enfim, deixe de frescura, deixe de rotular quem entende do assunto de “teórico da conspiração” — como se conspirações não pudessem ocorrer até mesmo em sua cama (vide “amantes” e “largue sua mulher/marido para ficar comigo!”) — e assista à exposição de um especialista no assunto, um sujeito que passou metade da vida trabalhando para a KGB como um “enganador profissional”.

Bezmenov fala de sua vida e da fuga para o Ocidente:

Bezmenov descreve as quatro fases da subversão:

Se beber…

menor_volante

— Ah, não! Uma blitz!! Anda, filho, troca de lugar comigo, rápido!

— Mas, pai, eu…

— Vamos logo! Quer ver seu pai na cadeia, é? Não viu que eu bebi uma taça de vinho na casa da sua avó?

— Mas…

— Não tem mais nem menos! Vai, se mexe.

— Pai, eu tenho doze anos de idade! O senhor ficou maluco?

— Não se preocupe, é como aquele carrinho de bate-bate do parque de diversões, não tem mistério.

— Mas aí tem três pedais. E eu não sei usar essa alavanca da marcha.

— O câmbio.

— É, não sei usar o câmbio.

— Eu engato a primeira aqui e você vai devagarzinho até lá.

O menino obedece e, não conseguindo parar, enfia o carro na lateral do carro da polícia, que resulta bastante amolgado.

— Que sorte! —, diz a mãe ao telefone minutos depois. — Imagine se eles tivessem usado o bafômetro em você.

— Pois é. Estaria perdido, um crime bem pior.

— E de onde você tirou essa idéia?

— Uê, dos traficantes, claro. Eles não usam menores de idade para cometer crimes e se safarem em seguida?

— Genial, meu bem! Genial!

O adiamento da Nova Ortografia

Em vista do adiamento para 2016 da famigerada Reforma Ortográfica, vale a pena ler de novo os artigos do professor Cláudio Moreno — os melhores que li sobre o tema —, afinal, talvez ainda haja tempo para reformar a reforma.

São muitos os artigos do Sua Língua que falam do Acordo Ortográfico. Reúno, abaixo, em ordem de publicação, os dez textos em que analiso mais de perto as causas, as consequências e os prejuízos desta periclitante Reforma:

01 ─ Deixem a nossa ortografia em paz!
02 ─ Esqueçam essa reforma!
03 ─ O pesadelo de Cassandra
04 ─ O pesadelo de Cassandra continua
05 ─ O que muda na ortografia?
06 ─ Mudanças na ortografia
07 ─ Não compre o novo VOLP! (1)
08 ─ Não compre o novo VOLP! (2)
09 ─ Não compre o novo VOLP! (3)
10 ─ Não compre o novo VOLP (4)

Passeata Contra o eBook

A Associação Nacional de Livrarias está mostrando que é tão inteligente e visionária quanto os organizadores e participantes da famigerada (e estúpida) Passeata Contra a Guitarra Elétrica, nos idos dos anos 60. Claro, não se trata de mera burrice, mas de covardia e esperteza do pior tipo. Sempre que empreendedores recorrem ao Estado para se defender da justa concorrência e, neste caso, da inovação, quem sai perdendo é o consumidor. Segundo afirma o Estadão:

Bicho-papão digital

Enquanto Amazon e Companhia das Letras fechavam contrato – o anúncio foi feito ontem -, a Associação Nacional de Livrarias, que representa as independentes, já se articulava para mandar carta em que expõe alguns receios com relação ao livro digital para Dilma Rousseff, Marta Suplicy e entidades do livro. Fará isso na próxima semana. Entre as sugestões, a de que a diferença de preço entre e-book e livro físico seja de até 30%. E no caso da editora que vende diretamente ao consumidor, que o desconto não exceda 5%.

Diz, com razão, o blog Revolução eBook:

O primeiro passo deveria ser, o quanto antes, adotar uma nova postura. É melhor encarar de frente a mudança tecnológica e se adaptar o mais rápido possível. Esse deveria ser o foco. Uma abordagem prática, para buscar soluções que não dependam dos outros, especialmente do governo. Sem pensar que o “novo” é sinônimo de “problema”. Há exemplos de outras associações de livreiros. que encararam o mercado digital com objetividade e procuraram se inserir de algum modo. Por que a ANL não se inspira na American Booksellers Association, que fez acordo com a Kobo, nos EUA, quase nos mesmos moldes que a Livraria Cultura, para inúmeras livrarias independentes? Ou, ainda, como fez a Australian Publishers Association, com o mesmo objetivo, na parceria com a The Copia?

Pessoalmente, só posso me sentir pessimista frente à possível reação do governo diante dessa proposta da Associação Nacional de Livrarias. O “Partido” já mostrou diversas vezes sua cara. Espero que ela, a proposta, se perca nas entranhas burocráticas de Brasília.

_______
Publicado no Digestivo Cultural.

Página 10 de 17

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén