10:14 amAntivírus e laranjas

Tradução do “vá estudar” dos esquerdistas: “vá lavar seu cérebro com ideologia semelhante à nossa”. No, gracias.

A verdade é que não adianta discutir com mentalidades revolucionárias. Antes elas precisam passar pela terapia de ler Krishnamurti, cujo discurso formata o cérebro, apaga tudo. (Por isso, se suas convicções e sua fé não forem verdadeiras, pouco importando a natureza delas, cuidado com ele.)

Um debate, aliás, ao qual gostaria de assistir: Sócrates X Krishnamurti. ¿Quem daria um nó em quem? Bom, ainda aposto em Sócrates.

A caminho do “protesto a favor”, um petista é interpelado por Krishnamurti. Dez páginas depois, o petista está catatônico, dando boot no seu sistema mental.¿Reinstalará o mesmo sistema operacional? Não sabemos. Mas já dá para conversar com ele um bocado.

A caminho do “protesto a favor”, um petista passa pela Ágora e é interpelado por Sócrates. Dez páginas mais tarde, o petista não é mais petista. Sócrates desinstala o sistema bugado e reinstala um zero bala ao mesmo tempo.

Mas ambos, Sócrates e Krishnamurti, infelizmente, já não abordam voluntariamente ninguém. Passaram desta para melhor. Exigem atenção voluntária do interessado mediante livros. Por isso…

A caminho do “protesto a favor”, um petista passa por São Bernardo do Campo e é interpelado por Lula em plena calçada. Uma hora depois, o petista vira laranja…

É, o jeito é instalar o antivírus Moro.
_____

Postado em Março, no Facebook.

7:04 am10 anos: parece que foi ontem

Em 2006, publiquei cerca de dez horas de entrevista (em áudio) com Olavo de Carvalho, sua primeira aparição no YouTube. Eu procurava, procurava, procurava e não encontrava nada sobre ele ali. ¿Como era possível? ¿Depois de Olavo ter escrito todos aqueles livros?! Absurdo. Então lhe fiz a proposta e ele a aceitou. Nas gravações, a atualidade de tudo o que ele diz é espantosa. Desde então, graças ao movimento revolucionário, o Brasil permaneceu completamente atolado. Ou melhor: afundou mais.

Quem não ouviu essa conversa — que acabou dando origem ao programa True Outspeak — não sabe o que está perdendo…

Caso alguém queira baixar os arquivos MP3, clique aqui.

Ouça a entrevista completa abaixo:

6:57 amQue larguem o osso!!

Olavo de Carvalho já me disse isto ao telefone dez anos atrás, voltou a repeti-lo milhares de vezes em vídeos, aulas e entrevistas, e já escreveu outras tanto: “Eles não vão largar o osso!”. O Partido dos Trabalhadores não é um partido normal. Ele não pretende revezar-se no jogo democrático. Almejou o poder e, tendo-o alcançado, não se desfará dele… senão coercivamente. Com a jararaca se esgueirando até o único lugar que lhe pareceu seguro — o Palácio do Planalto —, para tornar-se pseudo-assistente de sua ex-assistente chucra (sua atual pseudo-chefa incompetente), ¿o que mais tem de acontecer para os zumbis apolíticos perceberem o que realmente se passa à sua volta? Eu falo daqueles que acham que está tudo bem, que acham que está tudo normal, que tudo se arranja por si só e que, no final, o mocinho ficará com a mocinha e o vilão não permanecerá com o poder nas mãos. Vilão, sim: Lula é um psicopata. Não adianta dizer isso a seus asseclas histéricos: eles comemoram cada uma de suas jogadas criminosas! Quando Mercadante foi pego com a boca na botija, um petista que conheço lamentou apenas que o Ministro da Ignorância tivesse se deixado enganar… Graças a uma consciência moral adormecida, o militante não viu nada de errado nas ações do seu herói! Mercadante agia claramente como um membro da Cosa Nostra! Sim, para essa caterva revolucionária não há moral, não há ética, não há escrúpulos, não há valores eternos, não há vergonha na cara: para atingir seus fins, tudo é permitido. O niilismo no qual vivem mergulhados lhes inspira a mais altiva indiferença, o mais presunçoso cinismo diante dos valores do próximo. Incapazes de conceber algo que transcenda o espaço-tempo, para eles só lhes interessa transformar o aqui e o agora, só lhes interessa o projeto de uma sociedade futura perfeita a ser realizada neste mundo por meio do Estado, uma sociedade tão perfeita que nós, que somos imperfeitos, em algum momento poderemos ser descartados sem qualquer remorso. Não é à toa que o olhar malicioso e irônico que disparam contra famílias vestidas de verde e amarelo, manifestantes “coxinhas”, seja exatamente o mesmo que vemos no rosto dos oficiais das fotografias de campos de extermínio.

Em geral, quando falamos dessa gente imoral com palavras diretas e duras, somos logo tachados pelos zumbis neutros, apolíticos, de caçadores de bruxas, de ‘maniqueístas’: “Ah, um paladino presunçoso a lutar contra os malvados! Como se houvesse realmente diferença entre o bem e o mal, como se essa batalha levasse a alguma coisa…”. Sim, é preciso lutar contra o mal que grassa no mundo — porque é justamente essa luta o contrário do maniqueísmo. O maniqueísmo é a crença de que tanto o bem quanto o mal são absolutos e que, por isso, não há razão para que um princípio combata o outro. Ora, se são ambos princípios eternos e indestrutíveis, ¿qual a razão do combate? Ninguém irá vencer, as coisas se arranjam… E é exatamente essa a posição daqueles que, ignorando o verdadeiro significado do termo, nos chamam de ‘maniqueístas’ — mas eles é que o são! O maniqueísmo gera a indiferença, a passividade, o comodismo e a falta de determinações. Quem permanece nessa posição mais cedo ou mais tarde será engolido pelos niilistas, aqueles cujas almas, incapazes de lidar com um sentimento natural de rebelião que brota diante de um mundo onde há finitude, morte, injustiça, incerteza e dor, e aparentemente nenhuma esperança ou virtude, aderem à religião da força, do poder, a qual, para nascer, exige a razão implacável, a alma fria e vazia, uma filha do Nada.

Devemos nos preparar para mais protestos pontuais ou massivos, manifestações, greves gerais, até mesmo, caso a coisa se estenda e aponte para uma futura Venezuela brasileira, a ação ucraniana, tudo o que for necessário — jamais desrespeitando nossa consciência e as leis eternas — para que nossa liberdade e a vida daqueles a quem amamos possam florescer sem o julgo de um tirano qualquer, seja este tirano uma pessoa, um partido ou uma ideologia revolucionária. O establishment sob o qual vivemos é incapaz de corresponder a nossos anseios e angústias. Ele precisa ser derrubado. Pouco importa se levará uma semana, seis meses, dez, vinte ou trinta anos, pois o ambiente cultural anódino e decadente desta época é hostil, e tampouco cairá logo após os criminosos que ora nos achacam. Se esse partido e se esse governo corrupto não caírem nas próximas semanas, não nos desesperemos. Tenhamos paciência. Estudemos. Cultivemos nossas virtudes. Sobretudo, confiemos em Deus e em nossas forças, porque o trabalho que nos espera é de longo prazo.

_____
Publicado no Facebook, no dia 16 de Março.

7:46 amPinto do camelo

É mais fácil passar o pinto dum camelo pelo fundo duma agulha do que convencer um idiota-útil esquerdista de que os princípios e valores fundantes do Ocidente, associados ao livre mercado, são bilhões de vezes mais benéficos, não apenas aos pobres, mas a toda a sociedade. Não, eles continuarão hipnotizados pelas promessas messiânicas do socialismo, que prometem “igualdade”, pão e paz, mas que só redundam em miséria, opressão e genocídio. Não, eles continuarão lutando contra o capitalismo, que é um processo real e não um dogma, e se entregando ao capitalismo de Estado, que é a verdadeira identidade dos países socialistas: você não possui nada, o Estado possui tudo, e escolhe quem, dentre o povo, é mais igual que os demais.

Publicado no Facebook.

_____

DOIS PESOS…

Quando o MST coloca algumas centenas de militantes pagos na rua, os esquerdistas dizem que representam o povo. Quando milhões vão espontaneamente para as ruas protestar contra um governo e um partido corruptos, revolucionários, bolivarianos, dizem: “Ah, não representam o povo, 200 milhões ficaram em casa…”. ¿E amanhã? ¿Os petistas colocarão esses 200 milhões nas ruas? Queremos ver. ¿Ou irão se esquecer desse argumento falacioso? É óbvio que não chegarão sequer aos pés das manifestações do dia 13 de Março. E eles sabem disso. Não se importam com nenhuma veracidade. Só lhes interessa o “projeto generoso” de Dilma e Lula, isto é, a Pátria Grande socialista made in Foro de São Paulo. São cínicos. Tão cínicos que são capazes de berrar “Não vai ter golpe” para proteger o golpe de Lula. Não discuta com essa gente: sorria. E prossiga lutando.

Publicado no Facebook, no dia 17 de Março.

7:36 am¿Até tu, Satanás?

No final do dia, Satanás preparou seu uísque — cowboy, porque ali não havia gelo que resistisse —, ligou a TV e, refestelado em sua confortável poltrona de couro humano, se preparou para assistir a mais um episódio da série Breaking Bad. Estava entusiasmado, já que a vontade de poder aprisionava cada vez mais a alma do protagonista.

— É hoje que ele se entrega totalmente a mim!

Três bicadas de uísque e quatro minutos de episódio mais tarde, soou a campainha da frente.

— ¿Logo agora? ¿Quem será? — e, entre resmungos, já preparando uma bronca para o infeliz demônio subalterno que certamente o estava a buscar, levantou-se e foi abrir a porta. Soltava fogo escocês pelas ventas.

— ¿Senhor Satanás? — indagou um sujeito alto, moreno, vestido de colete preto e seguido por vários outros paramentados à mesma maneira.

— Sim. ¿Quem quer saber? — devolveu surpreso.

— Sou o delegado Luciano Flores da Polícia Federal do Brasil. Eis o mandado de prisão. O senhor vem conosco. Não resista.

Satanás arregalou os olhos: — Mas o que foi que eu fiz?!

— O senhor saberá assim que chamar um de seus inumeráveis advogados — e o delegado, com um gesto da cabeça, ordenou que o algemassem.

Nos dias seguintes, a imprensa se deleitou: com a prisão recente de Luiz Inácio Lula da Silva, que havia aceitado a delação premiada, finalmente chegaram a Satanás. Tratava-se da 666ª fase da Operação Lava Jato, apelidada de “Chefe do Lula”. Sim, afora o Príncipe dos Infernos, não havia sobrado mais ninguém para o bandido petista denunciar.

___
Publicado no Facebook.

7:31 amO furor esquerdista

“Que pode querer e esperar o homem sem Deus senão o reino do homem? Eis o que explica o transe dos discípulos [de Karl Marx]. (…) Mas todo socialismo é utópico, o científico em primeiro lugar. A utopia substitui Deus pelo futuro. Identifica então o futuro com a moral; o único valor que subsiste é o que serve esse mesmo futuro. Daí o ser ele quase sempre constrangedor ou autoritário. (…) aqui o desespero vale mais do que toda esperança (…). a redução de todos os valores unicamente à história autorizava as conseqüências mais extremas. (…) A reivindicação de justiça acaba em injustiça se não for primeiramente baseada numa justificação ética da justiça. Sem isso, o próprio crime acaba por se transformar um dia em dever. (…) Quando o mal e o bem são reintegrados no tempo [tornando-se imanentes], confundidos com os acontecimentos, tudo deixa de ser bom ou mau, mas unicamente prematuro ou desatualizado. Mais tarde — dizem os discípulos — poderão fazer os seus juízos. Mas as vítimas é que já não se encontrarão no mundo para estabelecer tais juízos. (…) Marx profetiza a sociedade sem classes e a resolução do mistério histórico. (…) contudo, abstém-se de fixar uma data. Ora, (…) os acontecimentos e os fatos esqueceram-se de vir enfileirar-se em sua síntese. (…) a esperança viva de milhões de homens [marxistas] não pode manter-se impunemente sem um prazo de realização. E chega o dia em que a decepção [desses discípulos] se encarrega de converter a esperança em furor (…).”

Albert Camus, em O Homem Revoltado.

4:03 pmEsquema de pirâmide petista

A economia resultante da intervenção estatal é sempre um “esquema de pirâmide” (esquema Ponzi).

A economia petista é um esquema de pirâmide esticado às suas últimas conseqüências — a quebra do país. Assim, tomar um pequeno grupo de pessoas que se deu bem, dentro desse esquema, e usar tal fato como uma prova “verdadeira” de que o PT fez bem ao Brasil, é apenas uma prova de ignorância econômica, ignorância principalmente do primeiro princípio da economia: a escassez. Ora, se você tomar os primeiros beneficiários de um esquema de pirâmide — como o do investimento em avestruzes, tal como ocorreu em Goiás anos atrás — é claro que essas pessoas, sendo dinheiristas e anti-éticas, dirão que ganharam dinheiro legitimamente e que o esquema funciona. Mas ¿e aqueles, mais à base da pirâmide, que apenas perderam dinheiro? Todo esquema Ponzi é fraudulento.

A economia intervencionista estatal é o pior esquema de pirâmide porque é compulsório, obrigatório e, quem não quer dele participar, perde direitos e pode até mesmo ir para a cadeia. Logo, somos obrigados a participar de uma fraude apenas porque somos dirigidos por idiotas políticos que, por sua vez, são louvados e apoiados por idiotas-úteis que não entendem bulufas de economia.

____
Publicado no Facebook.

8:21 amA mortadela dos nazistas

Há um documentário interessantíssimo no Netflix dividido em episódios: Nazi Secret Files. Por enquanto assisti a dois episódios: um sobre o uso de drogas pelos nazistas e outro sobre o messianismo hitlerista. (Eu já estava a par de muitos detalhes desse messianismo graças ao livro “O despertar dos mágicos”, de Pauwels e Bergier. Mas, sim, o documentário acrescenta novas descobertas.)

Ao final da Primeira Guerra, Hitler estava entre os milhares de soldados traumatizados. (Imagine: lutar com táticas do século XIX contra armas do século XX! Isso não podia acabar bem… Marchar contra metralhadoras e armas químicas não é o mesmo que marchar contra rifles carregados pela boca que disparam uma única carga por vez… E ainda não havia tanques de guerra para proteger o avanço das tropas… Enfim…) Seu trauma se manifestou como cegueira psicológica e, por isso, após exames, Hitler foi diagnosticado como “psicopata histérico”, que é uma forma da psicopatia na qual o doente, além do comportamento patológico, também somatiza sua afecção psíquica. (Antes da Segunda Guerra, Hitler “suicidou” o médico responsável pelo diagnóstico e deu fim aos arquivos referentes à sua doença.)

Durante o governo nazista, outro fato estranho se deu: boa parte da população alemã se viciou em Pervitin — parece Pervertidim, mas é Pervitin mesmo — uma droga cuja fórmula viera do Japão e que podia ser encontrada em qualquer farmácia, sendo consumida como uma espécie de… Red Bull. Sabe como é… melhora o ânimo, torna a pessoa mais concentrada, focada, sem qualquer cansaço e, por fim — o Red Bull não chega a tanto —, psicótica! Mas era vendida em pílulas. E não era outra coisa senão o produto que Walter White (Breaking Bad) tornou famoso: Crystal Meth, a metanfetamina. Quando a Segunda Guerra começou, todos os soldados recebiam, juntamente com sua ração diária, um tubo de comprimidos de metanfetamina. O próprio Hitler, que sempre acordava deprimido, só saía da cama após receber de seu médico particular uma injeção de metanfetamina. Agora me diga: ¿o que resulta da mistura de um psicopata histérico com crystal meth? Resposta: Hitler.

Os europeus não conseguiam entender o Blitzkrieg, a “guerra relâmpago”: ¿como aqueles milhões de soldados nazistas podiam marchar incansavelmente horas a fio, quase sem dormir, e ainda atacar seus inimigos de modo tão feroz e implacável? Resposta: messianismo turbinado com metanfetamina. Foi a mais louca das guerras, uma bad trip… afinal, após o uso prolongado, a metanfetamina cobra seu preço: os viciados se convertem em zumbis paranóicos! Eis outro fator que, unido a tantos outros, explica o fracasso alemão…

No final desse episódio (Nazis On Drugs), eu só pensava numa coisa: temos de agradecer ao PT que, em vez de metanfetamina ou cocaína das FARC, provê seus sequazes apenas de pão com mortadela…

P.S.: Agora já dá para entender de onde saiu isto.
___
Publicado no Facebook.

7:12 amMinha avó e o caso da jararaca

Minha falecida avó materna, uma camponesa típica, costumava narrar um curioso caso sobre um peão mordido por jararaca. Ele trabalhava no pasto, sol à pino, quebrando cupinzeiros com um enxadão, quando, ao abaixar-se para arrancar ao chão um último pedaço de cupinzeiro, de um buraco de tatu lhe deu o bote uma jararaca, mordendo-o na mão esquerda. Preso por instantes nesse transe, nesse dilema de saber que, caso fizesse torniquete, perderia a mão por gangrena, caso não fizesse, morreria, decidiu então, imbuído da praticidade de homem do campo, tomar do facão que trazia à cintura e, num golpe certeiro, decepou a própria mão envenenada, envolvendo o cotoco resultante num lenço. Não satisfeito — seu desapego com as coisas do mundo lhe exigia um ato brioso —, abaixou-se, pegou com a direita a mão esquerda pelo indicador, girou-a por sobre a cabeça para lhe dar impulso, e a jogou longe. Pronto: esse problema agora era passado. E só então matou a cobra…

Não se esqueça: aquilo que a jararaca morde apodrece e, por isso, tem de ser extirpado. Se não o for, morre o corpo inteiro.

____
P.S.: Como bem lembrou o amigo Paulo Briguet, escritor paranaense: “E se tua mão direita é para ti causa de queda, corta-a e lança-a longe de ti, porque te é preferível perder-se um só dos teus membros, a que o teu corpo inteiro seja atirado na geena.” (Mt 5,30)

Publicado no Facebook.

4:53 pmAuto-humilhação petista

O sujeito que lê, entre muitíssimos outros, os livros República (Platão), Os Demônios (Dostoiévski), O que há de errado com o mundo? (Chesterton), A teoria da exploração do socialismo-comunismo (Böhm-Bawerk), O Homem Revoltado (Camus), A Invasão Vertical dos Bárbaros (Mário Ferreira dos Santos), Advertência ao Ocidente (Soljenítsin) A Nova Era e a Revolução Cultural (Olavo de Carvalho) e Ponerologia: Psicopatas no Poder (Lobaczewski), e que mesmo assim continua sendo um petista, um progressista, um comunista ou um revolucionário político qualquer, certamente sofre de analfabetismo funcional (e merece por isso nossa compaixão, haja vista o estado de decrepitude da educação brasileira) ou então de um tipo qualquer de psicose (e por isso devia recorrer a algum tipo de psicoterapia). Se é alguém que se recusa a ler livros desse gênero — livros que falam à inteligência, e não ao coração mediante ideologias irracionais e absurdas —, então o sujeito é apenas um fanático. Ou um preguiçoso. Se for um fanático, podemos compreender seu apoio a um oclocrata como Lula: é o que se espera de fanáticos, isto é, a paixão imune a toda prova em contrário, a todo fato, avessa à própria estrutura da realidade. Fanáticos políticos lêem apenas os catecismos da sua fé ideológica, prendendo-se a superstições tais como o socialismo e o comunismo. É até compreensível, embora deplorável. Por outro lado, se o sujeito for simplesmente um preguiçoso, do tipo que não lê sequer um best-seller ao ano, deveria evitar o vexame e parar de bater no peito, escrevendo aqui e ali, mal que mal, seus nonsenses político-econômicos e suas bravatas de sequaz. A defesa do maior bandido que este país já teve no governo não merece a auto-humilhação e a vergonha de quem devia estar simplesmente curtindo a vida.

_____
Publicado no Facebook.