Blog do Yuri

palavras aos homens e mulheres da Madrugada

Tag: fotos

O socorrista J.-J. Mollaret fala sobre viver e morrer na montanha

Yuri Vieira e Fernando Espinoza no vulcão Cotopaxi, de 5890 metros

« A montanha oferece ao homem uma riqueza inesgotável, desde suas vertentes povoadas de bosques até suas cimeiras nuas.

« Quando subimos pelas duras encostas cheias de árvores até alcançar as primeiras áreas nevadas e as primeiras pedreiras, o ruído do mundo vai se atenuando até desaparecer por completo. Então podemos saborear a primeira satisfação – hoje já rara – do silêncio e da solidão. É um silêncio transbordante de vida; é o ritmo surdo, lento e calmo da terra: a gralha imóvel que se deixa levar pelas correntes de ar, a genciana grande e azul que treme ao solo sob o menor sopro de brisa, a pegada de qualquer animalzinho da montanha impressa na neve recente. É a vida tensa e discreta que se oferece ao olhar admirado pelo preço único de se ter subido ali em cima. Outro prazer é o ato de fé que deixa ver a pegada de Deus na imensidade da criação tal como foi concebida.

« Alguns têm o doloroso privilégio de ser os atores do drama da vida e da morte, de encontrar-se durante uns curtos instantes ou ao longo de várias horas ou de dias intermináveis nesse justo limite extremo, fronteira desconhecida, inalcançável e talvez inexistente. De começar a compreender, tragicamente, o porquê da vida que escapa, de lutar desesperadamente para manter essa chama que vacila, que diminui, que quer se elevar de novo para logo apagar-se. A morte não golpeia somente pelo esgotamento, pelo frio ou pelo traumatismo: alguns morrem, já salvos, apenas por lhes faltar a fé, a esperança, a razão de viver. É nestes que de fato ocorrem o drama e a grande impotência dos salvadores.

« Para as cordadas de resgate são muito escassos os cumes que não possuem recordações trágicas. Quantas penas, quantos riscos para arrancar à montanha um ferido, um montanhista em apuros!

« E quando se arranca com sucesso essa presa da montanha, a alegria já não tem medida: uma vida não tem preço. Na maioria das vezes serão desconhecidos, estrangeiros salvos das garras da morte, que, uma vez deste lado da vida, já não verão mais a seus salvadores; alguns deles voltarão para agradecer com um abraço ou com um aperto de mãos a quem lhes devolveu a vida, mas outros não voltarão. No entanto, a alegria pela vitória sobre a morte não está nesse agradecimento, já que ela é interior, incomunicável até aos mais íntimos. É impossível narrar com toda sua expressão a experiência de vida adquirida ao longo de operações e operações de salvamento e de dramas e de dramas na montanha.»

______

Cordadas de Alerta (Au-delà des cimes), de Jean-Jacques Mollaret.

(Traduzido ao português por Yuri Vieira.)

 

Esse era um dos meus livros de cabeceira quando morei no Equador.

Na foto acima, eu e meu amigo, o guia de montanha Fernando Espinoza (ao fundo), durante a escalada do vulcão Cotopaxi (5890 metros), em meio a uma tempestade de neve que nos surpreendeu no descenso.

Sim, eu sei que preciso escrever sobre as montanhas. Mas não tenha pressa. Algumas idéias são exatamente como as montanhas. Embora não as consigamos escalar em determinado momento, por mal tempo ou por outra razão qualquer, não há por que desesperar: elas não sairão do lugar, estarão sempre à espera.

Da série “encontros bizarros”: Fernando Pessoa e Aleister Crowley

Crowley e Pessoa

Aleister Crowley joga xadrez com Fernando Pessoa.

Parece, mas não é

yurivieira.com

Este parece ser o primeiro post deste blog — mas não é. Afinal, embora eu tenha mudado algumas vezes — e isso desde 2002 — de servidor, de CMS (Content Management System), de domínio, e até mesmo o nome do blog, eu não vejo nenhuma descontinuidade no processo. Este blog ainda é o meu blog, o mesmo que comecei a escrever em 1985, aos 14 anos, num caderno preterido pelas lições do colégio, isto é, o meu privativo blog primitivo. De fato, entre aquele e este, não há grande diferença. Talvez eu esteja apenas um pouco mais desencanado, um tanto mais tranqüilo, mais reticente — e só. Entende? Liguei o “foda-se”. Para quê tanta preocupação? Para quê tanta discussão online? (Sem debates públicos! Os comentários, por exemplo, só estão habilitados para trackbacks. Quem quiser me dizer algo, quem quiser iniciar um diálogo honesto, que utilize o formulário de contato; quem quiser se exibir, que saia nu pela rua ou crie seu próprio blog.) Poxa, como dizia o Heidegger — em outro contexto, obviamente –, “o medonho já aconteceu”. Logo, poderia ocorrer, neste mundo, algo pior que a Rebelião de Lúcifer? Algo pior que a queda do casal adâmico? É óbvio que não. Tudo o mais é conseqüência. Cabe a cada um escolher o lado pelo qual deseja lutar. E por mais que as coisas possam caminhar para trás, um dia elas fatalmente seguirão adiante. Mesmo que, para tanto, sejam necessários dez mil anos de idas e voltas e novas idas. (O Brasil precisará de uns cem mil.) E, se a realidade vier a meter bambus sob minhas unhas, meu espírito ficará resguardado em local muito seguro. Conquistei minha fé. E isso é o que importa.

Todo esse papo, aliás, não é senão um preâmbulo para postar e justificar aqui a foto da camiseta que criei e que acabou se tornando a imagem deste blog: o escritor Dostoiévski abraçado à modelo… Quem é ela? Sinceramente, eu não sei. Baixei a imagem dela da internet. (Escrevam-me antes de pensar em me processar, ok?) “É o Fidel?”, perguntou meu pai. Não, não é. É meu escritor russo predileto — intenso, estranho, religioso — abraçado à musa — linda, sensual — de alguém. (De quem? Bom, não tenho a menor idéia.) Enfim, decidi criar esse contraste entre a pujança interior dele e a beleza exterior dela, entre o espírito criador e a tentação. O resultado me pareceu — como direi? — terno, cômico, bizarro e, conforme me anunciou uma certa señorita, a minha cara! E só. (Acho que o amigo Fiódor, como legítimo escorpiano, o aprovaria.) E funciona: as pessoas se voltam para olhar minha camiseta quando passeio por aí.

Ah, quase me esqueço: sim, desisti de criar nomes para meu blog. Cada dia tinha uma idéia mais “genial” que a outra: cantandoeandando.com, escrevendoeandando.com, inutiliatruncat.com, blogexmachina.com, deusexblog.com, parardepensaremburrece.com, vaitecatar.com, etc. Bobagens. Para quê tanto esforço? Eu iria me enjoar do nome como me enjôo da roupa cotidiana. Aliás, meus amigos sempre se referiram a meu site assim mesmo, “blog do Yuri”. Sem falar que o último — O Garganta de Fogo –, que era um blog coletivo, acabou se transformando, de fato, numa garganta de fogo. Nomen est omen (Nome é destino). Mas eu sou de escorpião, um signo de água…

É isto. No mais, sejam bem-vindos a essa nova fase do “blog do Yuri”. (Se me der na telha, publicarei meus posts antigos aqui.)

Inté!

Desenvolvido em WordPress & Tema por Anders Norén