11:07 pmMinha amiga extraterrestre (Pórtia) – versão de 13 minutos

Já que nem todo mundo tem paciência para assistir a 53 minutos de uma entrevista improvável, decidi publicar, também no You Tube, uma versão reduzida da mesma. Veja aqui:

3:04 pm“Espelho” (curta-metragem) no festival de Tromsø, Noruega

No Siesta Fiesta

O curta-metragem “Espelho” (Mirror), dirigido em parceria com Cássia Queiroz, foi convidado pelo festival “No Siesta, Fiesta!” — de Tromsø, Noruega — e já está na programação que homenageia o Brasil.

Os longas-metragens convidados são: Central do Brasil, Tropa de Elite, Fuglekikkere e La Zona.

Se por um acaso você estiver passeando por ali, em busca da aurora boreal ou algo assim, aproveite e prestigie nosso filme. Obrigado.

7:46 pmDe Partida – um curta-metragem de Yuri Vieira e Pedro Novaes

Após iniciar o vídeo, clique na seta (canto inferior direito) e selecione “HQ – assistir em alta qualidade”.

“Um casal não vê outra saída para seu casamento senão a separação.”

Obs.: Este curta-metragem foi gravado sem qualquer lei de incentivo cultural e custou cerca de R$500,00 à Sertão Filmes, graças, é claro, à ajuda de vários amigos que trabalharam sem nada cobrar e/ou emprestaram equipamentos e locações. (Veja os agradecimentos ao final do vídeo.)

Foi SELECIONADO para a 8ª Goiânia Mostra Curtas (2008).

_______
Direção: Pedro Novaes e Yuri Vieira.
Argumento: Pedro Novaes.
Roteiro: Paulo Paiva, Pedro Novaes e Yuri Vieira.
Fotografia: Emerson Maia, Pedro Augusto Diniz e Pedro Novaes.
Assistente de fotografia: Isaac Orcino e Arturo Lucio.
Som direto: Paulo Paiva.
Edição: Pedro Novaes, Aline Nóbrega.
Trilha sonora: Sandro Soares, Pedra 70, Olavo Telles, Bebel Roriz.
Edição de som e finalização: Arturo Lucio.
Produção: Cássia Queiroz e Paulo Paiva.

Elenco: Cássia Queiroz, Grace Carvalho, Lina Reston e Sandro Torres.

____
P.S.: O quadro na cabeceira da cama foi pintado por Yuri Vieira. (Hehehehe.)

11:40 amEntrevista com uma extraterrestre

Eis a entrevista que gravei, sete anos atrás, com Pórtia (Juraci), a minha amiga extraterrestre.

11:03 pmA carta que o escritor espera do leitor ou… A casa do caralho

Eis o tipo de mensagem que um escritor espera de ao menos um em cada cem de seus leitores:

Fri, Feb 6, 2009 at 7:14 PM

Olá Yuri,

Quem lhe escreve é Eduardo, 18 anos, natural e morador de Brasília.

Terminei há pouco de ler o seu livro “A Tragicomédia Acadêmica“, e gostaria de expressar os meus agradecimentos.

Como um jovem que, mesmo decepcionado, tenta passar na UnB, pude me identificar com várias das estórias contadas. Corroborando uma afirmação sua sobre a obra, pude ver, junto a alguns trechos beirando ao absurdo — e nesse conflito reside a excelência do texto –, incrivelmente, uma fiel representação da realidade. “Matando um Mosquito Com um Tiro de Canhão“, em especial, contém tudo o que gostaria de ter dito, mas não tinha a sabedoria, a coragem e nem o conhecimento, sobre um cursinho pré-vestibular, o próprio vestibular e a educação em geral.

A propósito, percebi em seus textos, e embora isso deva valer pouco vindo de um ignorante como eu (e agora um pouco menos graças a você), uma grande riqueza de conhecimentos, contida em tão pequeno espaço, coisa que nunca vi em crônicas de um Luís F. Veríssimo, por exemplo.

E falando em ignorância, para você ver, jamais teria percebido as inúmeras alusões feitas à mitologia grega se, voluntariamente e por mero acaso, não tivesse lido logo antes “O Livro de Ouro da Mitologia”, de Thomas Bulfinch, pois os que se faziam de professores não me ensinaram nada sobre isso quando fingia de conta que era estudante.

No momento, tento recuperar o tempo perdido, e esse livro foi um dos primeiros, tomara, de muitos outros.

Muito Obrigado.
Eduardo C.
eduardco[arroba]gmail[ponto]com

Este é o trecho importante: “contém tudo o que gostaria de ter dito”. Sim, pois o escritor deve expressar justamente aquilo que o leitor ainda não havia verbalizado, aquilo que em seu campo mental não era senão possibilidade — e apenas por isso o leitor não o tinha dito por si mesmo. O escritor é aquele que traz certos fatos e certas possibilidades à consciência, tornando pensável o que antes não era senão pressentido. É aquele que, com a imaginação alerta, em meio a tempestades e ao jogo do navio, permanece aboletado na — como diziam os antigos navegadores — na “casa do caralho”, isto é, no cesto da gávea. O escritor é aquele marinheiro que grita “terra à vista!”.

Enfim, uma carta contendo esta observação é a carta esperada. Claro, também chegam aquelas com críticas ferrenhas que, a seu modo, fazem tão bem quanto. Há coisas que nos motivam, há outras que nos fortalecem.

_____
Para ler outros comentários sobre meus livros, clique aqui.

1:19 amParece, mas não é

yurivieira.com

Este parece ser o primeiro post deste blog — mas não é. Afinal, embora eu tenha mudado algumas vezes — e isso desde 2002 — de servidor, de CMS (Content Management System), de domínio, e até mesmo o nome do blog, eu não vejo nenhuma descontinuidade no processo. Este blog ainda é o meu blog, o mesmo que comecei a escrever em 1985, aos 14 anos, num caderno preterido pelas lições do colégio, isto é, o meu privativo blog primitivo. De fato, entre aquele e este, não há grande diferença. Talvez eu esteja apenas um pouco mais desencanado, um tanto mais tranqüilo, mais reticente — e só. Entende? Liguei o “foda-se”. Para quê tanta preocupação? Para quê tanta discussão online? (Sem debates públicos! Os comentários, por exemplo, só estão habilitados para trackbacks. Quem quiser me dizer algo, quem quiser iniciar um diálogo honesto, que utilize o formulário de contato; quem quiser se exibir, que saia nu pela rua ou crie seu próprio blog.) Poxa, como dizia o Heidegger — em outro contexto, obviamente –, “o medonho já aconteceu”. Logo, poderia ocorrer, neste mundo, algo pior que a Rebelião de Lúcifer? Algo pior que a queda do casal adâmico? É óbvio que não. Tudo o mais é conseqüência. Cabe a cada um escolher o lado pelo qual deseja lutar. E por mais que as coisas possam caminhar para trás, um dia elas fatalmente seguirão adiante. Mesmo que, para tanto, sejam necessários dez mil anos de idas e voltas e novas idas. (O Brasil precisará de uns cem mil.) E, se a realidade vier a meter bambus sob minhas unhas, meu espírito ficará resguardado em local muito seguro. Conquistei minha fé. E isso é o que importa.

Todo esse papo, aliás, não é senão um preâmbulo para postar e justificar aqui a foto da camiseta que criei e que acabou se tornando a imagem deste blog: o escritor Dostoiévski abraçado à modelo… Quem é ela? Sinceramente, eu não sei. Baixei a imagem dela da internet. (Escrevam-me antes de pensar em me processar, ok?) “É o Fidel?”, perguntou meu pai. Não, não é. É meu escritor russo predileto — intenso, estranho, religioso — abraçado à musa — linda, sensual — de alguém. (De quem? Bom, não tenho a menor idéia.) Enfim, decidi criar esse contraste entre a pujança interior dele e a beleza exterior dela, entre o espírito criador e a tentação. O resultado me pareceu — como direi? — terno, cômico, bizarro e, conforme me anunciou uma certa señorita, a minha cara! E só. (Acho que o amigo Fiódor, como legítimo escorpiano, o aprovaria.) E funciona: as pessoas se voltam para olhar minha camiseta quando passeio por aí.

Ah, quase me esqueço: sim, desisti de criar nomes para meu blog. Cada dia tinha uma idéia mais “genial” que a outra: cantandoeandando.com, escrevendoeandando.com, inutiliatruncat.com, blogexmachina.com, deusexblog.com, parardepensaremburrece.com, vaitecatar.com, etc. Bobagens. Para quê tanto esforço? Eu iria me enjoar do nome como me enjôo da roupa cotidiana. Aliás, meus amigos sempre se referiram a meu site assim mesmo, “blog do Yuri”. Sem falar que o último — O Garganta de Fogo –, que era um blog coletivo, acabou se transformando, de fato, numa garganta de fogo. Nomen est omen (Nome é destino). Mas eu sou de escorpião, um signo de água…

É isto. No mais, sejam bem-vindos a essa nova fase do “blog do Yuri”. (Se me der na telha, publicarei meus posts antigos aqui.)

Inté!